ghghg

Durante grande parte da história dos games, a história do herói era bastante normal, tipo salvar o mundo. A ambiguidade moral de salvar uma princesa ou derrotar um imperador espacial nunca esteve em causa, mas conforme os jogos evoluíram como uma mídia narrativa avançada, tudo se tornou possível. Até mesmo a Nintendo é salpicada com alguns contos meio macabros, mas os desfechos dos jogos se tornaram cada vez mais estranhos e moralmente cinzentos com o passar do tempo. Aqui estão alguns finais mais inesperados dos games.

 Dragon Warrior (1986)

O clássico Nintendinho não oferecia muitos enredos surpreendentes, mas o final de Dragon Warrior permite que você faça uma escolha muito difícil. Quando você finalmente chega ao Dragonlord, o grande vilão que atormenta a humanidade, ele pergunta se você gostaria de se juntar a ele na tarefa de governar o mundo. Você pode, obviamente, dizer não, mas se escolher sim, estará condenando o mundo e a tela é quase imediatamente banhada em vermelho. Sua experiência e ouro escorrem instantaneamente pra zero, você ganha imortalidade… E o jogo congela, como se até mesmo o seu NES estivesse decepcionado com você.

Metroid (1986)

Como a pirata espacial Samus Aran, é sua missão caçar o planeta natal dos invasivos Metroids sugadores de vida. No final da sua missão, você luta contra a Mother Brain e corre pra escapar do planeta em colapso – ter uma fase depois da batalha final já foi uma surpresa por si só. Se você fizer um bom trabalho, é recompensado com um final muito inesperado: Samus tira o capacete. E então o mundo descobriu que Samus era uma mulher durona o tempo todo e você, meu jovem, aprendeu uma lição de política de gênero. Esta lição acaba turva se você vencer o jogo em menos de uma hora, porque Samus basicamente tira toda a roupa, exibindo belas curvas poligonais pra garotada.

Batman: Arkham City (2011)

Rocksteady Studios trouxe sua trilogia Arkham pra lugares que os quadrinhos do Batman nunca ousaram antes e quebrou numerosas Bat-regras no processo, tais como revelar a verdadeira identidade de Batman pro mundo… E deixar o Coringa morrer. Na conclusão de Arkham City, até mesmo Batman pensa que vai salvar o Coringa da toxina devastadora que infesta o corpo de ambos, mas, no último momento, o Coringa apunhala Batman no ombro, forçando-o a soltar o antídoto. O Príncipe Palhaço do Crime ainda morre em seus próprios termos, rindo sobre como a situação era hilária e do fato de Batman nuncar violar sua ética. Mesmo que seja um jogo, é provavelmente uma das melhores histórias do Batman já escrita. Chupa, Frank Miller.

Portal (2007)

A Valve criou o melhor playground do mundo com Portal, fazendo um mundo que nenhum outro jogo foi capaz de replicar. Conforme você luta contra um computador tirânico enlouquecido, pode-se facilmente prever final do jogo: você vai destruir o computador e a fortaleza que o abriga. Você não estaria errado. A parte inesperada surge quando o computador pisca de volta à vida, reinicia a sua versão do DOS e canta uma canção sobre como ele sobreviveu e está sarcasticamente feliz por você. É um final inesperado que muda por completo o jogo. Ainda mais estranho – um patch mais tarde pra algumas versões do jogo inclui uma cena em que o jogador é arrastado de volta pra fortaleza após a sua fuga, levando a…

Portal 2 (2011)

Quatro anos depois, a Valve trouxe uma sequência de Portal, que foi tão impressionante quanto o primeiro, mas com mais Merchant Stephen, que é sempre uma boa coisa. O jogo é mais do mesmo, atravessar fases e enfrentar o computador, que luta sua própria batalha nos bastidores e altera o ambiente. Através de uma série de eventos impressionantes, a maioria das coisas ruins são sugadas pro espaço através de um portal na Lua. Ainda mais surpreendente, o robô que está tentando matá-lo por dois jogos apenas decide ir. Os robôs de novo cantam pra você e é tão espetacular como da primeira vez, o que também é uma surpresa em si.

Far Cry Primal (2016)

O fim de Far Cry Primal em si não é muito surpreendente. Você conquista uma terra pré-histórica, cria as crianças órfãs de um chefe rival e queima uma mulher viva no fogo que ela cultuava. É praticamente todas as coisas básicas que você faz quando não tem Netflix pra mantê-lo ocupado. Um pouco depois do lançamento inicial do jogo, a Ubisoft lançou o modo de sobrevivência, que traz habilidades quase sobre-humanas do seu herói de volta à Terra e torna o jogo incrivelmente difícil. Pior de tudo, se você morrer… É fim da linha. Você tem que começar de novo desde o início do jogo. A Ubisoft deu várias sugestões de que se você vencesse o jogo no modo de sobrevivência, teria uma recompensa incrível. Talvez algo como uma pistola a laser ou talvez dinheiro de verdade na sua conta? Nada disso. Apenas um vídeo dos desenvolvedores dizendo obrigado. Filhos da p…

Dark Seed (1992)

Se você quiser um jogo absolutamente assustador, desenterre uma cópia do obscuro Dark Seed. Os gráficos são bastante estranhos, a paleta de cores é limitada, a trilha sonora é discordante e a animação é embaraçosa, tudo complementando um enredo terrivelmente maravilhoso. Como o herói, você aponta e clica seu caminho por entre a Terra e uma dimensão paralela enquanto um bebê alienígena é gerado dentro da sua cabeça. Depois de salvar o mundo e retornar à sua cidade pacata, você ainda precisa de alguma forma tirar esse feto espacial do seu crânio… Então você toma uma aspirina. É isso aí. Deve ter sido tarja preta. A história é parcialmente resgatada em Dark Seed II, exceto pelo fato de que a maior parte desse jogo faz ainda menos sentido.

Bionic Commando (2009)

O Bionic Commando original de 1987 é notável por ser o primeiro jogo de plataformas que usou um mecanismo de usar ganchos pra saltar pelas fases, que mais tarde iria aparecer em inúmeros jogos como uma ferramenta inestimável. A sequência de 2009 é notável por razões completamente diferentes. Em um ponto próximo à sequência final do jogo, a localização secreta da esposa desaparecida do herói Nathan Spencer é revelada… E ela está dentro do seu braço biônico. Ele tinha uma versão estranha de uma mulher robô ligada ao seu ombro todo esse tempo e nem sequer sabia disso. Isto levanta muitas mais perguntas que nunca poderiam ser respondidas, por isso é melhor que ninguém nunca pergunte nada. E ponto final!

1% é Redator desse site, mas aqueles 99% é Vagabundo! :v