Às vezes, uma franquia de filmes precisa agradecer a um novo ator. Algumas franquias que começaram bem e agradaram ao público acabam se tornando tornando obsoletas e tão terríveis quanto cenoura numa salada. Mas não tenha medo: assim como você pode jorrar seu molho favorito na salada e dar-lhe nova vida, franquias obsoletas também podem ser salvas com a simples adição de algo novo e revigorante!

Jason Segel – Os Muppets1

A franquia Muppets estava praticamente morta antes de Jason Segel, que ressuscitou os fantoches de feltro em 2011. O filme anterior – primeiro a ter uma história original desde a morte do criador Jim Henson – não agradou a quase ninguém – ok, ninguém na verdade. Muppets do Espaço nem sequer alcançou seu orçamento. Foi Segel que deu nova vida à franquia em 2011 ao escrever um roteiro que, de uma só vez, homenageou a sensação retrô dos Muppets e atualizou a franquia com humor fresco, cativando os fãs clássicos e a nova audiência. O resultado foi um enorme sucesso pra Disney, pros Muppets e pra Segel – e um sucesso de bilheteria.

Ryan Reynolds – Deadpool2

Ryan Reynolds tem a distinção bizarra de estar por trás das duas únicas versões cinematográficas do Deadpool até hoje – e teve que usar a segunda pra compensar a primeira. Aparecendo pela primeira vez em X-Men Origens: Wolverine, Deadpool foi retratado como um personagem que inexplicavelmente não tinha boca. Não é culpa de Reynold, foi uma decisão criativa de alguém que claramente nunca leu nada do Deadpool, mas certamente os fãs xingaram muito no Twitter. Deadpool sem boca é como um Wolverine sem garras. Agora que Deadpool tem seu próprio filme, Reynolds conseguiu satisfazer até mesmo o mais cético dos fãs. Pode ser uma das primeiras vezes na história do cinema que um personagem foi tão completamente resgatados.